Qual a importância do fluxo de caixa para a empresa e como fazer

A falta de um rigoroso controle do fluxo de caixa é, com certeza, um dos principais pecados capitais do mundo dos negócios. Afinal, é a partir dele que é possível fazer toda a gestão financeira da empresa, determinando, por exemplo, se há lucro. Mas você sabe como calcular o fluxo de caixa? Sua empresa está fazendo corretamente o dever de casa? Será?

Pode parecer até óbvio que o controle do fluxo de caixa é absolutamente fundamental para uma empresa. E é mesmo! No entanto, ainda assim este é um assunto que precisa ser muito bem debatido. Nada menos do que seis em dez empreendedores fecham as portas de seus negócios antes de completarem quatro anos de atividades, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E o principal motivo para que isso aconteça, garantem os especialistas, é a desorganização financeira.

Preparamos esse conteúdo com todo o cuidado, para que você realmente entenda o passo a passo de como realizar corretamente o fluxo de caixa de sua empresa. Acredite: isso é fundamental para a saúde do seu negócio.

Você sabe o que é que é fluxo de caixa?

Toda empresa, não importa o tamanho e o ramo, tem um fluxo financeiro natural, com a entrada e a saída de somas em dinheiro, seja por conta do pagamento feito por um cliente ou pelas despesas do negócio, como a compra de matéria prima, pagamento de impostos e de salários dos colaboradores, entre outros tantos exemplos. Esse fluxo cotidiano é conhecido contabilmente como fluxo de caixa, e é por meio dessa ferramenta de gestão contábil que o empresário visualiza quanto está gastando e faturando em seu negócio.

O fluxo de caixa de uma empresa é muito parecido com o nosso orçamento doméstico. É preciso saber o quanto se ganha e se gasta com as despesas mensais para que possamos ter controle e não entrar no vermelho, não é verdade? É a partir do fluxo de caixa que uma empresa pode administrar o seu financeiro, cumprindo com o primeiro mandamento da saúde das finanças: não gastar mais do que se recebe.

O fluxo de caixa, portanto, controla todas as entradas e saídas de dinheiro da empresa. Todo movimento financeiro do negócio deve ser devidamente registrado, e isso significa que essa ferramenta funciona como uma espécie de diário da vida financeira empresarial. Por meio dela, é possível visualizar todas as movimentações financeiras do empreendimento e, por isso, ela é responsável pelo controle e projeção do negócio.

Qual deve ser sua periodicidade?

O fluxo de caixa pode ser feito mensal, quinzenal, semanal ou mesmo diariamente, e isso fica a critério do gestor e do seu contador. O importante a se observar é que quanto menor o intervalo de tempo do cálculo, mais preciso o fluxo de caixa será. É o próprio ritmo de movimentação financeira da empresa, porém, que definirá a regularidade do cálculo do fluxo de caixa. Converse esse assunto com o seu contador!

Por que o fluxo de caixa é tão importante para a sua empresa?

Acreditamos que a própria definição dessa ferramenta já responde a essa pergunta, ainda assim queremos deixar bem claro porque o fluxo de caixa é essencial para a saúde de seu negócio. Por meio dele é possível avaliar precisamente a disponibilidade de recursos e a liquidez da empresa, e é a partir daí que se pode tomar decisões gerenciais mais assertivas.

O fluxo de caixa permite:

• Estudar a necessidade de redução de despesa e onde isso pode ser feito;

• Fazer planejamento de investimentos;

• Estudar a viabilidade da expansão do negócio;

• Analisar o lucro da empresa.

Em resumo, ele ajuda a gerenciar os gastos, controla as despesas e funciona como um verdadeiro raio-X da vida financeira do negócio. É ou não fundamental?

O fluxo de caixa é obrigatório?

Essa é uma boa pergunta, e a resposta pode ser sim e não. A gente explica: juridicamente, não há qualquer lei que obrigue uma empresa a fazer o seu fluxo de caixa, mas sua importância é tamanha que obrigatoriamente, ao menos do ponto de vista financeiro, ele deve ser feito regularmente.

Ou seja, não há obrigatoriedade legal que determine a realização do fluxo de caixa, mas a saúde financeira da sua empresa agradecerá por isso, e muito! Uma pesquisa promovida pela Deloite indicou que nada menos do que 90% dos executivos o consideram “essencial” no gerenciamento de risco do negócio.

Portanto, afirmamos sem medo de errar: sim, o fluxo de caixa é obrigatório.

Tipos de fluxo de caixa

Embora possa parecer muito fácil fazer o fluxo de caixa, registrando tudo o que entra e o que sai da empresa, é preciso ter conhecimento técnico para realizá-lo corretamente. E há alguns tipos de fluxo de caixa, que são adequados para se alcançar diferentes objetivos.

O seu contador naturalmente saberá qual e quando utilizá-los, mas vamos falar um pouquinho sobre os principais tipos de fluxo de caixa.

Fluxo de caixa projetado

Além de elencar todos os movimentos financeiros que aconteceram na empresa, o fluxo de caixa também pode projetar o quanto entrará e sairá nos meses seguintes. Essa é a função do fluxo de caixa projetado, que permite um melhor controle financeiro.

O próprio nome se autoexplica. O fluxo de caixa projetado ajuda no planejamento de ações que ainda acontecerão, utilizando as contas atuais. A partir de uma média, é possível projetar resultados futuros, que auxiliarão na tomada de decisões e ajudarão no controle financeiro.

Fluxo de caixa descontado

Também conhecido pela sigla FCD, o fluxo de caixa descontado é utilizado para apontar o valor presente do empreendimento. Muitas vezes, quando estudam a viabilidade da compra de uma empresa, investidores utilizam o FCD para avaliar o seu real valor. Há quem o defenda como um real instrumento para definir o valor da empresa, mas também tem quem não o adote, porque é baseado em projeções, e não em dados tangíveis e presentes.

Fluxo de caixa livre

O fluxo de caixa livre aponta a soma de dinheiro que fica na empresa após o pagamento de todos os custos, como aluguel da loja, impostos, salários e etc. Se o seu saldo for positivo, a empresa tem receitas maiores que despesas, portanto está no lucro. Essa ferramenta é muito importante porque analisa a capacidade da empresa em gerar lucro a curto, médio e longo prazos.

Fluxo de caixa indireto

Este trabalha com operações, investimentos e financiamentos e tem como base a análise dos lucros e prejuízos de acordo com o Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE). O fluxo de caixa indireto utiliza o balanço patrimonial produzido pelo contador para contabilizar o lucro alcançado. Por meio dele, é possível diferenciar o lucro obtido em cada operação, permitindo uma visão clara da posição financeira do negócio.

Fluxo de caixa direto

O fluxo de caixa direto trabalha com as informações financeiras brutas, ignorando descontos. O objetivo é oferecer informações concretas do caixa, organizando-as por natureza contábil. Ele registra as entradas e saídas e é o método mais utilizado. Por meio desta ferramenta, a empresa sabe se há ou não recursos em caixa.

Fluxo de caixa incremental

O fluxo de caixa incremental tem nome pomposo e função idem: a ferramenta avalia a rentabilidade e a viabilidade econômica de um empreendimento porque apresenta a renda gerada ao longo de sua atividade. O método trabalha com entradas e saídas de acordo com o lançamento de um projeto e identifica se tal projeto é relevante ou não.

Como fazer um bom fluxo de caixa

Não basta fazer o fluxo de caixa, é preciso fazê-lo correta e periodicamente. Mas como fazer um bom controle?

• Comece pelo saldo inicial, ou seja, quanto a empresa exatamente tem em caixa. Isso é bem fácil, basta somar o saldo das contas bancárias. Esse é o ponto de partida.

• Anote sempre todas as entradas e saídas de caixa. Um erro muito comum é deixar de anotar pequenas despesas, como a compra de um simples toner para a impressora. Até o custo da compra de uma caneta, que seja, deve ser lançado.

• A partir das receitas e despesas conhecidas, é possível calcular o saldo operacional da empresa. Essa é outa conta bem simples: do montante do que entrou subtraia o que saiu.

• Não se esqueça de calcular o saldo do período: subtraia o saldo operacional do saldo inicial.

• É importante separar as entras e saídas por categorias, o que oferece clareza aos números (por exemplo, pagamentos a fornecedores, salários, gastos administrativos e etc.).

• Mantenha os dados atualizados e realize um inventário financeiro envolvendo custos fixos, variáveis, receitas, investimentos e contas a receber, entre outros.

• Define uma periodicidade e cumpra com o prazo determinado.

O fluxo de caixa está no vermelho? O que fazer?

Embora a gente jamais deseje que isso aconteça, não é nada anormal encontrar o seu fluxo de caixa no vermelho. As vendas, por exemplo, podem estar em um bom patamar, mas sua maior parte pode ter sido feita em parcelas mensais e, ainda assim, as contas chegam e precisam ser pagas. E aí? Antes de tudo, calma!

Um planejamento financeiro bem realizado pode evitar tal situação. Mas se de fato sua empresa ficar momentaneamente no vermelho, avalie as contas a pagar e negocie com seus credores. Muitas vezes, será possível prolongar datas de vencimento, o que pode ser um grande alívio para as suas contas.

E se isso se repetir, é hora de repensar seu fluxo financeiro. Talvez a venda a crédito não esteja funcionando muito bem para o seu negócio. Sente-se com o seu contador e estude a situação. Certamente você precisará de um bom planejamento financeiro.

Algumas boas dicas

• Quanto menos tempo houver entre o pagamento aos fornecedores e o recebimento dos clientes, melhor será a saúde financeira do seu negócio. Analise isso!

• Utilize o fluxo de caixa para auxiliá-lo na tomada de decisões. Está na hora de investir na compra de novos computadores? Abrir um novo ponto de vendas é possível neste momento?  Se há dinheiro em caixa, vale à pena utilizá-lo para aumentar o estoque?

• Crie uma rotina para abastecer o seu fluxo de caixa.

• Venda a prazo é entrada? Não! Portanto, não lance uma venda a prazo como se o dinheiro já estivesse lançado na conta de sua empresa.

• Busque ter uma reserva para cobrir imprevistos.

• Utilize softwares de apoio. Planilhas são fundamentais, pois facilitam o trabalho.

Conclusão

O fluxo de caixa só traz benefícios para a empresa, e disso não temos nenhuma dúvida. Mas ele precisa ser muito bem feito para espelhar a realidade do seu negócio e ajudá-lo a gerenciá-lo. Não se esqueça de que as informações financeiras são essenciais para avaliar a própria saúde do empreendimento.

A partir dessa ferramenta, é possível fazer toda a gestão financeira da empresa. Será possível verificar se o negócio está dando lucro, qual o seu tamanho, se há recursos para novos investimentos e, ainda, avaliar se os ganhos aferidos serão suficientes para o pagamento de despesas futuras.

Dar a devida atenção ao fluxo de caixa é cuidar da saúde do seu negócio. Esperamos que você tenha entendido a real importância dessa ferramenta de gestão e que a utilize a seu favor!